Arquivo da categoria: Esclerose Múltipla

Vídeos – Esclerose Múltipla em Ação

 

Animação em inglês:
Bem didática.

Animação em inglês:

Informativo e animação em espanhol:
Vídeo informativo sobre la Esclerosis Múltiple dirigido al publico en general y pacientes, elaborado por la Fundación Española de Enfermedades Neurológicas y avalado por la Sociedad Española de Neurología.

What is multiple sclerosis?
During an MS attack, inflammation occurs in areas of the white matter of the central nervous system in random patches called plaques. This process is followed by destruction of myelin, the fatty covering that insulates nerve cell fibers in the brain and spinal cord. Myelin facilitates the smooth, high-speed transmission of electrochemical messages between the brain, the spinal cord, and the rest of the body; when it is damaged, neurological transmission of messages may be slowed or blocked completely, leading to diminished or lost function. The name “multiple sclerosis” signifies both the number (multiple) and condition (sclerosis, from the Greek term for scarring or hardening) of the demyelinated areas in the central nervous system.

-CNS=Central Nervous System
-Multiple sclerosis (abbreviated MS, also known as disseminated sclerosis or encephalomyelitis disseminata) is an autoimmune condition in which the immune system attacks the central nervous system, leading to demyelination. Disease onset usually occurs in young adults, and it is more common in women. It has a prevalence that ranges between 2 and 150 per 100,000. MS was first described in 1868 by Jean-Martin Charcot.
MS affects the areas of the brain and spinal cord known as the white matter, destroying a fatty layer called the myelin sheath, which wraps around nerve fibers and electrically insulates them. When myelin is lost, the axons of neurons can no longer effectively conduct action potentials. The name multiple sclerosis refers to the scars (scleroses better known as plaques or lesions) in the white matter. Although much is known about the mechanisms involved in the disease process, the cause remains unknown. Theories include genetics or infections. Different environmental risk factors have also been found.
Almost any neurological symptom can appear with the disease, and often progresses to physical and cognitive disability. MS takes several forms, with new symptoms occurring either in discrete attacks (relapsing forms) or slowly accumulating over time (progressive forms). Between attacks, symptoms may go away completely, but permanent neurological problems often occur, especially as the disease advances.
There is no known cure for MS. Treatments attempt to return function after an attack, prevent new attacks, and prevent disability. MS medications can have adverse effects or be poorly tolerated, and many patients pursue alternative treatments, despite the lack of supporting scientific study. The prognosis is difficult to predict, it depends on the subtype of the disease, the individual patient’s disease characteristics, the initial symptoms and the degree of disability the person experiences as time advances. Life expectancy of patients is nearly the same as that of the unaffected population.

O difícil diagnóstico da esclerose múltipla

O dia 30 de agosto é considerado o Dia Nacional de Conscientização sobre a Esclerose Múltipla, a enfermidade neurológica crônica mais predominante em jovens, entre os 20 e 40 anos. É uma doença pouco conhecida, que compromete significativamente a vida do doente e das pessoas próximas a ele. A falta de informação e não saber qual médico procurar são os desafios da doença, por isso, o número de casos diagnosticados vem crescendo no Brasil. No primeiro trimestre desse ano, o Sistema Único de Saúde (SUS) realizou 544 internações decorrentes da doença. No ano passado, o total de assistências foi 2.328. Em contrapartida, o custo gerado em decorrência da EM é elevado.A investigação é difícil porque os sintomas não são permanentes no primeiro momento e quando a pessoa percebe, geralmente, a doença se encontra em fase mais adiantada. Sua causa ainda é desconhecida. Sabe-se que o paciente nasce com uma predisposição genética e que alguns fatores ambientais, como a exposição solar, o tabagismo e alguns tipos de vírus, funcionam como um “gatilho” no desencadeamento da doença. Em aproximadamente 85% dos pacientes o quadro clínico da EM se inicia sob a forma de um surto (sintomas neurológicos que duram no mínimo 24 horas) da doença.

Das manifestações clínicas iniciais, 46% são sinais e sintomas medulares (fraqueza das pernas, dormências, disfunção sexual e incontinência urinária); cerca de 20% dos pacientes reclamam de um quadro vista embaçada; 10% de síndromes de tronco cerebral (visão dupla, desequilíbrio, tonturas e falta de coordenação motora); e o restante por uma combinação dos sintomas.

Nos pacientes, transtornos do humor, como depressão e ansiedade, são muito comuns. Assim como a fadiga, falta de energia para as atividades diárias. Na maioria das vezes, a fadiga é confundida com preguiça, dificultando o diagnóstico.

O diagnóstico é baseado na história clínica relatada pelo paciente associado ao exame neurológico. Exames como a ressonância magnética do cérebro e o exame do líquido da espinha são importantes para sua confirmação e para afastar outras doenças que podem simular a esclerose múltipla.

Fonte: Paraná-Online